Equilíbrio

Blog Writings, Metaforicamente e outros poemas, Poetry

Equilíbrio,
Que te quero tanto,
Sacia as arestas do meu canto.

Quem sou ao sabor do vento?
Caminhante ou esse ser esborrachado,
Que nada faz do que lhe digo para fazer…

E Ser apenas és no teu aposento,
Anseias ser sempre e em todo o lugar,
Esperas deixar o sonho acontecer.

A vida esdrúxula domina,
Que saibas tu pisar a terra,
Antes de quebrares os pés.

E tudo o que te fascina,
Densos pedaços enterrados,
Deixa-os respirar e sê quem és.

 


Poema escrito em 2014 como parte da finalização da minha primeira reflexão poética sobre os sonhos: Metaforicamente e outros poemas.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s